Musil (1)

O homem sem qualidades coloca as personagens como efígies, desprovidas de roupa, de crânio aberto, no meio de um espaço vazio e universal, sujeitas a uma profunda análise, partilhada com o leitor numa forma de inteligência superior.