Musil (1)

O homem sem qualidades coloca as personagens como efígies, desprovidas de roupa, de crânio aberto, no meio de um espaço vazio e universal, sujeitas a uma profunda análise, partilhada com o leitor numa forma de inteligência superior.

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s